Cidade S.Jorge fecha ação social

Moradores da Cidade São Jorge, em Santo André,souberam muito bem usufruir dos inúmeros serviços de Saúde, lazer e beleza ofertados de forma gratuita pelo Diário do Grande ABC nos Bairros no sábado. A sétima e última edição de 2016 da ação social promovida pelo Diário e parceiros ocorreu na EE Professor Ovídio Pires de Campos. Durante o dia, foram registrados 1.862 atendimentos.

Aluno do 7º ano do Ensino Fundamental do colégio estadual, Vinycius José Valfrido, 13 anos, foi um desses moradores do bairro que souberam tirar proveito do evento. “Não temos muitas opções de lazer por aqui. Hoje, felizmente, tivemos a oportunidade de brincar à vontade”, revela o estudante, que participou de oficina de pintura promovida pelo Instituto Sustentabilidade.

Já Richard Marcos Cavalcanti, 11, fez elogio de gente grande à organização. “Gostei de tudo o que foi oferecido. Todos os profissionais tiveram a boa vontade de tirar nossas dúvidas e ensinar”, declara o estudante.

A ajudante geral Daiana do Carmo Cavalcanti, 28, reside na Cidade São Jorge há dez anos. “Nosso bairro ainda tem muito o que ser melhorado. Para você ter ideia, os ratos‘assistem’ à televisão conosco”, brinca ela, obrigada a conviver com a desagradável presença do roedor, que habita lixões e mato da vizinhança.

A ajudante geral levou os dois filhos pequenos (4 e 11 anos) para cortar cabelo com a equipe da Associação de Cabeleireiros do ABC e, enquanto aguardava as crianças, aproveitou a oportunidade para aferir a pressão arterial e realizar o teste de glicemia (diabetes) ofertado pelo Colégio Renil. “Trabalho muito durante a semana. Portanto, dificilmente tenho tempo livre para limpar a casa e resolver todas as minhas pendências num mesmo dia. O Diário nos Bairros veio à vila na melhor hora possível”, comemora.

De acordo com a coordenadora regional do Programa Escola da Família, Solange Pascoal Bailão, o Diário do Grande ABC nos Bairros é de extrema importância para suprir algumas necessidades das comunidades mais carentes da região. “Temos localidades que oferecem poucas opções de lazer e diversão. A ação social surge, então, como excelente alternativa para a população”, avalia.

Enfermeira alerta sobre cuidados à saúde, que devem ser maiores no frio

Com as baixas temperaturas típicas de inverno, o número de infartos pode aumentar em quase 30% em relação às outras épocas do ano. Os dados são do INC (Instituto Nacional de Cardiologia). Idosos, cardíacos, diabéticos, fumantes e sedentários são os mais vulneráveis. “O frio contrai os vasos sanguíneos e aumenta a pressão arterial. Essa alteração faz com que as placas de gordura se desprendam das artérias, ocasionando obstruções na passagem do sangue pelas veias”, explica a enfermeira e professora do Colégio Renil Bárbara Gomes.

O frio também altera hábitos da população. A alimentação se torna mais pobre, rica em gorduras e carboidratos.

Além disso, as pessoas ficam sedentárias. “É errado, mas é comum a pessoa tentar repor energias gastas ingerindo alimentos calóricos”, lamenta a enfermeira.

Esse é exatamente o caso da ajudante geral Daiana do Carmo Cavalcante, 28 anos, que aferiu a pressão e realizou o teste de glicemia (diabetes). “Abuso de fritura, principalmente bisteca de porco e frango frito. Infelizmente não posso ficar escolhendo o que comer”, justifica. 

O mecânico Márcio Roberto, 42, é outro que também não dispensa uma gordurinha. “Não tenho o hábito de consumir alimentos gordurosos, mas não resisto àquela picanha assada”, alega. 

As atitudes da ajudante geral e do mecânico são reprovadas pela enfermeira. “É importante praticar exercícios físicos

e preparar refeições equilibradas, com mais fibras e bastante líquido”, recomenda a profissional.





É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do Diário Online Copyright Diário do Grande ABC. Todos os direitos reservados - 2016